Descartes – Os 4 preceitos da lógica do Método

Em lugar do grande número de preceitos que compõe a lógica, achei que me seriam suficientes os quatro seguintes, uma vez que tomasse a firme e inalterável resolução de não deixar uma só vez de observá-los.

  1. 1. O primeiro era o de nunca aceitar algo como verdadeiro que eu não conhecesse claramente como tal; ou seja, de evitar cuidadosamente a pressa e a prevenção, e de nada fazer constar de meus juízos que não se apresentasse tão clara e distintamente a meu espírito que eu não tivesse motivo algum de duvidar.
  2. 2. O segundo, o de repartir cada uma das dificuldades que eu analisasse em tantas parcelas quantas fossem possíveis e necessárias a fim de melhor solucioná-las.
  3. 3. O terceiro, o de conduzir por ordem meus pensamentos, iniciando pelos objetos mais simples e mais fáceis de reconhecer, para elevar-me, pouco a pouco, como galgando degraus, até o conhecimento dos mais compostos, e presumindo até mesmo uma ordem entre os que não se precedem naturalmente uns aos outros.
  4. 4. E o último, o de efetuar em toda parte relações metódicas tão completas e revisões tão gerais nas quais eu tivesse a certeza de nada omitir.

Essas longas séries de razões, todas simples e fáceis, que os geômetras costumam utilizar para chegar às suas mais difíceis demonstrações, tinham-me dado a oportunidade de imaginar que todas as coisas com a possibilidade de serem conhecidas pelos homens seguem0se umas às outras do mesmo modo e que, ma vez que nos abstenhamos apenas de aceitar por verdadeira qualquer uma que não o seja, e que observemos sempre a ordem necessária para deduzi-las umas das outras, não pode existir nenhuma delas tão afastada a que não se chegue no final, nem tão escondida não se descubra.

Recorte feito de: DESCARTES, René. Discurso do método, Editora Nova Cultural. P. 49-50

Locke e a critica ao inatismo

John Locke nos apresenta em seu livro “Ensaio acerca do entendimento humano” uma critica à idéia de inatismo, conhecimento que precede a experiência, para Locke o conhecimento, de forma alguma, poderia preceder a experiência, a fonte de todo o conhecimento é a própria experiência, sendo que essa experiência pode ser externa(sensação) ou interna (reflexão). Para Locke a alma é um tabula rasa que aos poucos vai sendo preenchido pela experiência.

As experiências são de dois tipos, externas e internas; as experiência externa são as sensações que provem de objetos sensíveis externos; já a experiência interna são as operações internas do nosso espírito e os movimentos da nossa alma.

As idéias estão presente na mente do homem, porém para que isso aconteça fora há alguma coisa que tenha o poder de produzi-las na mente. O termo utilizado por Locke para esse poder é qualidades que são divididas em primaria e secundárias. As qualidades primárias se encontram nos próprios corpos (extensão, solidez, a figura, o numero) são qualidades objetivas. As qualidades secundárias, são as qualidades subjetivas (cor, sabor, odor e etc.).

“As qualidades primárias são qualidades dos próprios corpos, ao passo que as secundárias deriva do encontro dos objetos com o sujeito, mas tendo sempre as suas raízes no objeto” (REALE e ANTISERI 1990, 512)

As idéias se dividem em idéias simples e complexas, segundo Hessen:

“Os conteudos das experiencias são as idéias ou representações, algumas simples e outras complexas. Estas são formadas a parir de idéias simples. A essas idéias simpres pertencem as qualidades sensiveis primarias e secundárias. Uma idéia complexa é, por exemplo a idéia de uma coisa ou substancia.” (HESSEN 1999, 56)

Recebemos as idéias simples de forma passiva, mas após as idéias simples temos o poder de “operar de varios modos sobre elas”, realizando as combinações entre si, separanda-as, formando assim as idéias complexas que se distingue em tres grupos: Ideias de Modo, Idéias de substancia e idéias de relações.

Portanto para Locke a fonte de todo o conhecimento são as experiências, sendo assim as idéias nunca poderiam ser idéias a – priori e sim sempre serão posteriores há uma experiência, criticando assim o conceito de idéias inatas.