Elogio a ordem

“… são as relações ideológicas que estão imediatamente presentes no processo de produção,

ora é o aparelho repressivo que garante as condições políticas da reprodução e serve de escudo

para a atuação dos AIE, ora é a ideologia que garante a harmonia entre os aparelhos” (ALTHUSSER 1985 p. 31)

 

Elogio a ordem

Desde o fim da ditadura militar não encontrávamos os “homens da ordem” nas universidades, porem nos últimos tempos nos deparamos a cada esquina  com as forças disciplinares infiltrados entre os estudantes, até que em um certo momento a universidade reconheceu sua incompetência e resolveu firmar um convenio com tais “forças”, os quais deveriam “assegurar” o bem estar social, ou melhor dizendo, deveriam garantir a ORDEM.

Em nome da paz instituímos a guerra como forma de “segurança”, como se o mundo estivesse ordenado! – erá que se essa tal “ordem” fosse assim tão ordenada precisaríamos de “homens da ordem” para garanti-la?

Vivemos em um mundo que aparentemente está tudo em seu lugar, cada um tem sua função e vivemos em constante harmonia, que em sua origem tem como perspectiva ordenar o caos. Talvez seja isso que precisamos aprender! O mundo social é um mundo harmônico! Mas… então para que precisamos contar com os “homens da ordem”?

Para Althusser, o mecanismos ideológicos resulta no reconhecimento da necessidade da divisão do trabalho e do caráter natural do lugar determinado para cada ator social na produção. Essa mesma ideologia que deveria ser ensinada pelos Aparelhos ideológicos do Estado, nesse caso a universidade, para que a harmonia prevalecesse sobre o mundo, mas por pura incompetência das universidades isso não vem acontecendo, elas estão formando pessoas que incrivelmente questionam a ordem? Questionar? Não isso não pode ser o papel do estudante, um estudante não pode questionar a ordem!!? É o estudante assim como a ciência que tem que garantir a ordem, afinal vivemos em um mundo extremamente harmônico, não?

Então tomemos o rumo da verdadeira forma de fazer ciência e nos calemos diante de tais acontecimentos, afinal estamos além do bem e do mal, discutir política é para baderneiros que não tem o que fazer!!! Eu… tenho que continuar meus estudos!

Questionar? apenas aquilo que não influencie na ordem  do mundo em que vivemos, afinal é muito difícil viver sem ela!!!

Nossa tão queria ordem, tudo está ai, organizado, ordenado, basta eu olhar para o mundo e percebo a sua forma harmônica. Então… nosso papel como cidadão é o de manter a ordem!

Depois dessas meras palavras percebo que a universidade não é assim tão incompetente, com a ajuda da dos incríveis meios de comunicação (esses sim, extremamente competentes) estão conseguindo assegurar a ordem nacional, afinal conseguiram garantir, na maior parte dos casos, pessoas indiferentes ao mundo em que vivem, indiferentes aos problemas sociais, nos transformaram em uma massa amorfa!! Aceitamos o mundo do jeito que ele se apresenta, não tentamos mudá-lo pois não há nada que possa mudar!!

Um viva aos seres da Ordem, um viva a Ordem !! e, se alguém quiser questionar, chamemos o camburão…

Raphael Alario.

Clique aqui e veja a matéria que saiu no Bom dia Brasil

E-Book – Michel Foucault

Vigiar e Punir – Clique aqui

A história da loucura na idade clássica – Clique Aqui

A ordem do discurso aula inaugural no collège de France – Clique Aqui

Arqueologia do saber. 3 ed. – Clique Aqui

As palavras e as coisas – Clique Aqui

Doença Mental e Psicologia – Clique Aqui

Em defesa da sociedade curso no collège de France – Clique Aqui

História Da Sexualidade 1, A vontade de Saber – Clique Aqui

História da Sexualidade 2, O Uso Dos Prazeres – Clique Aqui

Nietzsche, Freud e Marx – Clique Aqui

O nascimento da clínica – Clique Aqui

Segurança, território, população curso no collège de France – Clique Aqui

Sexualidade e Poder – Clique Aqui

Pitágoras

 Pitágoras recomendando o vegetarianismo

Na Antiguidade, Pitágoras dividiu com Tales o crédito pela introdução da filosofia no mundo grego. Nascido em Samos, um ilha da costa da Ásia Menor, por volta de 570 a. C., ao quarenta anos emigrou para Crotona, no extremo da Itália, onde teve papel destacado na vida política da cidade até ser banido em meio a uma violenta revolução por volta de 510 a. C. Mudou-se para uma localidade vizinha a Metaponto, onde morreu na virada do século. No período em que viveu em Crotona, Pitágoras fundou uma comunidade semi-religiosa que sobreviveu a seu fundador e se dispersou por volta de 450 a. C. Atribui-se a ele a invenção da palavra “filósofo”, na ocasião em que, em vez de declarar-se um sábio, ou homem de saber (sophos), ele disse com modéstia ser apenas um amante da sabedoria (philosophos) (DL 8,8). Os detalhes sobre sua vida estão submersos em lendas, mas não restam dúvidas sobre ter ele sido um praticante tanto da matemática como do misticismo.  Nestes dois campos sua influência intelectual, reconhecida ou implícita, foi forte durante a Antiguidade, de Platão a Porfírio.

A descoberta dos pitagóricos de que havia uma relação entre os intervalo musicais e as razões numéricas resultou na crença de que o estudo da matemática era a chave para o entendimento da estrutura e da ordem do universo. A astronomia e a harmonia, diziam, eram ciências irmãs, uma para os olhos e a outra para os ouvidos (Platão, Rep. 530d). Contudo, apenas dois mil anos depois Galileu e seus seguidores demonstraram em que sentido era verdade que o livro do universo é escrito em números. No mundo antigo a aritmética estava por demais vinculada á numerologia para que pudesse promover o progresso científico, e os autênticos avanços científicos do período ( como a zoologia de Aristóteles ou a medicina de Galeno) foram conquistados sem o concurso da matemática.

A comunidade de Pitágoras em Crotona foi o protótipo de muitas instituições similares: a ela seguiu-se a Academia de Platão, o Liceu de Aristóteles, o Jardim de Epicuro e muitas outras. Algumas dessas comunidades eram instituições legais, outras menos formais; algumas se assemelhavam a um moderno instituto de pesquisas, outras eram mais próximas de mosteiros. Os seguidores de Pitágoras dividiam sua propriedade e viviam sob a égide de regras ascéticas e cerimoniais, como manter o silêncio, não partir o pão, não recolher os farelos, não atiçar o fogo com uma espada, calçar sempre o pé direito antes do esquerdo, e assim por diante. Os pitagóricos não eram, para início de conversa, vegetarianos radicais, embora evitassem certos tipos de carne, peixe e aves. A mais conhecida de suas restrições era a proibição de comer feijão (KRS 271-2, 275-6).

As regras relativas à dieta eram atribuídas às crenças de Pitágoras sobre a alma, que, segundo ele, não morria com o corpo, mas migrava para algum outro lugar, talvez um animal de uma outra espécie. Alguns pitagóricos desenvolveram essa regra transformando-a na crença em um ciclo cósmico de três mil anos: uma alma humana, apos a morte (do corpo), entraria, morte apos morte, em todo tipo de criatura da terra, do mar ou do ar, para finalmente retornar a um corpo humano a fim de que o ciclo tornasse a se repetir (Heródoto 2, 123; KRS 285). Em relação a Pitágoras, contudo, seus seguidores acreditavam que ele se tornara um deus apos morrer. Escreveram a seu respeito biografias repletas de maravilhas, atribuindo a ele uma segunda visão e o dom da bilocação; diziam que tinha uma coxa de ouro e era filho de Apolo. Numa feição mais prosaica, a expressão Ipse dixit ( ele próprio disse ) teria sido concebida em sua homenagem.

 

KENNY, Anthony. Uma Nova História da Filosofia Ocidental. Volume I. Filosofia Antiga. Edições Loyola. PP. 31-33

Confúcio e a Ordem

confucio-012

“Para colocar o mundo em ordem, nós temos que colocar a nação primeiro em ordem; para colocar a nação em ordem, nós temos que colocar a família primeiro em ordem; para colocar a família em ordem, nós temos que cultivar nossa vida pessoal; e para cultivar nossa vida pessoal, nós temos que, em primeiro lugar, colocar em ordem nossos corações.”