E-Book – Deleuze

Link Geral no 4Shared – Aqui

Deleuze – Curso Sobre Spinoza.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 1.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil platôs Vol. 2.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 3.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 4.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 5.doc

Deleuze – A Concepção da Diferença em Bergson.pdf

Deleuze – A Idéia de Gênese na Estética de Kant.pdf

Deleuze – A Ilha Deserta.doc

Deleuze – A Imanência uma Vida.doc

Deleuze – A Literatura e a Vida.pdf

Deleuze – Causas e Razões das Ilhas Desertas.pdf

Deleuze – Cinco Proposções sobre a Psicanálise.pdf

Deleuze – Conditions de la Question Qu’est-ce que la Philosophie.pdf

Deleuze – Conversações (Espanhol).pdf

Deleuze – Critica y Clinica.pdf

Deleuze – Curso Sobre Leibniz .pdf

Deleuze – Deseo y placer.pdf

Deleuze – Diccionario de filosofía.doc

Deleuze – Diferenca e Repeticao.pdf

Deleuze – Empirismo e Subjetividade.pdf

Deleuze – Espinosa Filosofia Prática.pdf

Deleuze – Fala da Filosofia.pdf

Deleuze – Francis Bacon Logica da Sensacao.pdf

Deleuze – Gilbert Simondon.pdf

Deleuze – Jean-Jacques Rousseau.pdf

Deleuze – L’image Mouvement (cours).pdf

Deleuze – La Imagen Tiempo – Estudios sobre cine 2.pdf

Deleuze – Lógica del Sentido.pdf

Deleuze – Nietzsche – Estranhos Ensinamentos.pdf

Deleuze – Nietzsche e a Filosofia.doc

Deleuze – O Ato de Criação.pdf

Deleuze – O que é um Dispositivo.doc

Deleuze – Platão e o Simulacro.doc

Deleuze – Proust e os signos.doc

Deleuze e Claire Parnet – Diálogos (rev).pdf

Deleuze e Foucault – Os Intelectuais e o Poder.pdf

Deleuze y Foucault – La Vida como Concepto Politico.pdf

Deleuze y Guattari – Kafka. Por una literatura menor.rar

Deleuze Y Guattari – Mil Mesetas El Antiedipo.PDF

 

Na falta de algum, tente aqui.

http://vsites.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/biblio.html

Oswaldo Giacóia – O Impacto de Nietzsche no Séc XX – Eugenia, antropotécnica, a polêmica Habermas-Sloterdijk

Oswaldo Giacóia fala sobre as idéias de Nietzsche e a confrontação com o mundo contemporâneo; nesse trecho, a polêmica sobre utilização da ciência na construção de um novo homem, expresso corretamente pelo Giacóia como o atingimento não do além do homem, mas do último homem.

Locke e a critica ao inatismo

John Locke nos apresenta em seu livro “Ensaio acerca do entendimento humano” uma critica à idéia de inatismo, conhecimento que precede a experiência, para Locke o conhecimento, de forma alguma, poderia preceder a experiência, a fonte de todo o conhecimento é a própria experiência, sendo que essa experiência pode ser externa(sensação) ou interna (reflexão). Para Locke a alma é um tabula rasa que aos poucos vai sendo preenchido pela experiência.

As experiências são de dois tipos, externas e internas; as experiência externa são as sensações que provem de objetos sensíveis externos; já a experiência interna são as operações internas do nosso espírito e os movimentos da nossa alma.

As idéias estão presente na mente do homem, porém para que isso aconteça fora há alguma coisa que tenha o poder de produzi-las na mente. O termo utilizado por Locke para esse poder é qualidades que são divididas em primaria e secundárias. As qualidades primárias se encontram nos próprios corpos (extensão, solidez, a figura, o numero) são qualidades objetivas. As qualidades secundárias, são as qualidades subjetivas (cor, sabor, odor e etc.).

“As qualidades primárias são qualidades dos próprios corpos, ao passo que as secundárias deriva do encontro dos objetos com o sujeito, mas tendo sempre as suas raízes no objeto” (REALE e ANTISERI 1990, 512)

As idéias se dividem em idéias simples e complexas, segundo Hessen:

“Os conteudos das experiencias são as idéias ou representações, algumas simples e outras complexas. Estas são formadas a parir de idéias simples. A essas idéias simpres pertencem as qualidades sensiveis primarias e secundárias. Uma idéia complexa é, por exemplo a idéia de uma coisa ou substancia.” (HESSEN 1999, 56)

Recebemos as idéias simples de forma passiva, mas após as idéias simples temos o poder de “operar de varios modos sobre elas”, realizando as combinações entre si, separanda-as, formando assim as idéias complexas que se distingue em tres grupos: Ideias de Modo, Idéias de substancia e idéias de relações.

Portanto para Locke a fonte de todo o conhecimento são as experiências, sendo assim as idéias nunca poderiam ser idéias a – priori e sim sempre serão posteriores há uma experiência, criticando assim o conceito de idéias inatas.