Filosofia moderna – 3.Características gerais do saber no século XVII

Por Marilena Chaui

3. Características gerais do saber no século XVII

A expressão “filosofia moderna ou filosofia do século XVII” é uma abstração, como já sugerimos ao mencionar a questão da cronologia. Mas é também uma abstração se considerarmos as várias filosofias que polemizaram entre si nesse período, os filósofos concebendo a metafísica, a ciência da Natureza, as técnicas, a moral e a política de maneiras muito diferenciadas. No entanto, para quem olha de longe, é impossível não reconhecer a existência de um campo de pensamento e de um campo discursivo comuns a todos os pensadores modernos e no interior dos quais suas semelhanças e diferenças se configuram. É desse campo comum que falaremos aqui. Continuar lendo

Filosofia moderna – 1. Problemas de cronologia: Quando começa a “filosofia moderna”?

Por Marilena Chaui

1. Problemas de cronologia: Quando começa a “filosofia moderna”?

Freqüentemente, os historiadores da filosofia designam como filosofia moderna aquele saber que se desenvolve na Europa durante o século XVII tendo como referências principais o cartesianismo — isto é, a filosofia de René Descartes —, a ciência da Natureza galilaica — isto é, a mecânica de Galileu Galilei —, a nova idéia do conhecimento como síntese entre observação, experimentação e razão teórica baconiana — isto é, a filosofia de Francis Bacon — e as elaborações acerca da origem e das formas da soberania política a partir das idéias de direito natural e direito civil hobbesianas — isto é, do filósofo Thomas Hobbes.

No entanto, a cronologia pode ser um critério ilusório, pois o filósofo Bacon publica seus Ensaios em 1597, enquanto o filósofo Leibniz, um dos expoentes da filosofia moderna, publica a Monadologia e os Princípios da Natureza e da Graça em 1714, de sorte que obras essenciais da modernidade surgem antes e depois do século XVII. Muitos historiadores preferem localizar a filosofia moderna no período designado como Século de Ferro, situado entre 1550 e 1660, tomando como referência as grandes transformações sociais, políticas e econômicas trazidas pela implantação do capitalismo, enquanto outros consideram decisivo o período entre 1618 e 1648, isto é, a Guerra dos Trinta Anos, que delineia a paisagem política e cultural da Europa moderna. Continuar lendo

E-Book – Deleuze

Link Geral no 4Shared – Aqui

Deleuze – Curso Sobre Spinoza.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 1.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil platôs Vol. 2.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 3.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 4.doc

Deleuze & Felix Guattari – Mil Platôs Vol. 5.doc

Deleuze – A Concepção da Diferença em Bergson.pdf

Deleuze – A Idéia de Gênese na Estética de Kant.pdf

Deleuze – A Ilha Deserta.doc

Deleuze – A Imanência uma Vida.doc

Deleuze – A Literatura e a Vida.pdf

Deleuze – Causas e Razões das Ilhas Desertas.pdf

Deleuze – Cinco Proposções sobre a Psicanálise.pdf

Deleuze – Conditions de la Question Qu’est-ce que la Philosophie.pdf

Deleuze – Conversações (Espanhol).pdf

Deleuze – Critica y Clinica.pdf

Deleuze – Curso Sobre Leibniz .pdf

Deleuze – Deseo y placer.pdf

Deleuze – Diccionario de filosofía.doc

Deleuze – Diferenca e Repeticao.pdf

Deleuze – Empirismo e Subjetividade.pdf

Deleuze – Espinosa Filosofia Prática.pdf

Deleuze – Fala da Filosofia.pdf

Deleuze – Francis Bacon Logica da Sensacao.pdf

Deleuze – Gilbert Simondon.pdf

Deleuze – Jean-Jacques Rousseau.pdf

Deleuze – L’image Mouvement (cours).pdf

Deleuze – La Imagen Tiempo – Estudios sobre cine 2.pdf

Deleuze – Lógica del Sentido.pdf

Deleuze – Nietzsche – Estranhos Ensinamentos.pdf

Deleuze – Nietzsche e a Filosofia.doc

Deleuze – O Ato de Criação.pdf

Deleuze – O que é um Dispositivo.doc

Deleuze – Platão e o Simulacro.doc

Deleuze – Proust e os signos.doc

Deleuze e Claire Parnet – Diálogos (rev).pdf

Deleuze e Foucault – Os Intelectuais e o Poder.pdf

Deleuze y Foucault – La Vida como Concepto Politico.pdf

Deleuze y Guattari – Kafka. Por una literatura menor.rar

Deleuze Y Guattari – Mil Mesetas El Antiedipo.PDF

 

Na falta de algum, tente aqui.

http://vsites.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/biblio.html

E-Book Bacon

Novo Organum ou Verdadeiras Indicações Acerca da Interpretação da Natureza – Bacon expressa a necessidade humana de “investigar a possibilidade de realmente estender os limites do poder ou da grandeza do homem e tornar mais sólidos os seus fundamentos… O Império do homem sobre as coisas se apóia, unicamente nas artes e nas ciências”. Com estes princípios Bacon transformou o conhecimento em algo útil, coisa estranha tanto para os gregos da antigüidade como para os teólogos da Idade Média.

Clique Aqui e faça o download do livro

Francis Bacon – A formiga, a aranha e a abelha.

Bacon afirma que os que se dedicaram à ciência pensaram como formigas e aranhas.

“Os empiristas seguem o exemplo da formiga, amontoam os fatos e apenas usam a experiência adquirida”, ou seja, buscam conhecimento pela indução e simples enumeração. Já para os racionalistas, ou dogmáticos faz analogia à aranha que “de si mesmos extraem o que lhes serve para a teia”, sendo, este, o método dedutivo, “tecem quadros a partir da sua imaginação”, ou seja, o seu conhecimento não tem qualquer fundamento real.

“A abelha representa a posição intermediária: recolhe a matéria-prima das flores do jardim e do campo e com seus próprios recursos a transforma e digere. Não é diferente o labor da verdadeira filosofia, que se não serve unicamente das forças da mente, nem tampouco se limita ao material fornecido pela história natural ou pelas artes mecânicas, conservado intato na memória. Mas ele deve ser modificado e elaborado pelo intelecto. Por isso, muito se deve esperar da aliança estreita e sólida entre essas duas faculdades, a experimental e a racional.”

Assim, para ele devíamos seguir o modelo da abelha para obter conhecimento científico, pois a abelha “colhe o suco do seu mel nas flores dos campos… mas sabe, ao mesmo tempo, prepará-lo e o digerir com uma habilidade admirável”, ou seja, deveríamos colher o conhecimento da experiência e trabalhá-lo com a razão de modo a podermos chegar à verdade.

BACON, Francis. Novum organum, XCV.