Resumo – “República” de Platão – Livro VII

Resenha VIII

            Aqui Sócrates inicia o livro sobre o tirano, este último tipo de governante que se analisa desde o último livro. Para isso, é preciso aprofundar-se na questão dos desejos, mas especificamente sobre aqueles que surgem durante o sono. Pois, estes são os que escapam da nossa vigilância, da nossa razão. Isto é, a parte inferior da alma é livre da parte superior durante os sonhos. Desta maneira, há desejos em nós que são tão terríveis e selvagens que só se despertam durante o sono.

            Os zangões no regime democrático se prende aos desejos necessários até que seja arrastado ao desregramento. Ele é o que consegue criar uma relação de amor muito mais forte do que os outros desejos supérfluos. E, como diz o ditado, “o amor é um tirano” e “um homem dominado pelo amor é como se estivesse embriagado, apaixonado e louco”. Assim foi como foi demonstrado o zangão que governa e se torna o tirano no livro VIII. Ele se entrega aos desejos do amor, indo à festas, orgias, banquetes e tendo todo tipo de amantes.

            Dominado por tais desejos, o tirano cometerá até crimes e violências para satisfazê-los. Desta forma, refletirá sua alma na cidade. Ele não terá amigos, nem desfrutará da justiça e da liberdade, pela qual um dia esteve bêbado e foi escolhido para governar. De certa maneira, colherá a ressaca da embriagues de tamanho liberdade, que é nada menos a maior de todas as escravidões. Pois, o tirano tem o a miserável vida de viver em vigília o que outros vivem apenas sonhando.

            Todos pensarão que o tirano é feliz, enquanto ele é o mais infeliz da cidade. Sua vida é tanto mais desgraçada quando perversa. Desta maneira, tanto a cidade quanto o seu governante são escravos. De uma democracia com excesso de liberdade se chega à sua escassez máxima, a mais escrava de todas. Nestas condições, ambas a cidade quanto as almas dos cidadãos se encontram pobres. Elas se encontram dominadas por muitos desejos e pouco poder para os satisfazer. Por fim, se encontra nelas todos os vícios e uma vontade má direcionada em acabar com eles, no sentido de que poderiam acabar ou satisfazendo os desejos como o tirano ou dominando-os como o filósofo. Porém, a primeira é a única que o tirano conhece e, como dito anteriormente em outro livro da República, uma vida em que não se busca o bem e a virtude não merece ser vivida, já que este em vez de reinar sobre si, tiraniza-se.

            Sócrates volta ao tema da alma, dizendo que ela tem três partes: a qual aprendemos; a qual nos iramos; e a qual desejamos. Esta última corresponde ao beber, comer, amar e aos prazeres. A ira é a que tende ao dominar, vencer e à fama. A parte pela qual aprendemos, não se importa com o que procura as outras duas, a não ser pela verdade e o conhecimento. Desta maneira, alguns homens são amigos do saber, outros amigos da fama e outros amigos da riqueza. Todos dirão que seu modo de vida é o melhor, assim como acontece com a legislação de cidades distintas. No entanto, só se pode saber qual modo de vida é realmente melhor por meio da experiência e do raciocínio que só o amigo do saber possui, i. e., o filósofo. Ademais, pelo fato de o filósofo também conhecer desde criança as outras partes da alma, enquanto os outros não conhecem a parte amiga do saber.

            Logo depois, Sócrates fala sobre sua terceira analogia, que se refere à dor, ao prazer e a um estágio intermediário: o repouso da dor ou o do prazer. Este pode parecer muito bom quando se deixa a dor para trás e se tem um repouso, porém apenas aparenta ser um prazer, enquanto o prazer verdadeiro ainda não é conhecido. Entretanto, tampouco a dor é a ausência do prazer e vice-versa. O que acontece é que no caminho baixo da dor para o repouso, se tem uma subida, que se interpreta como o prazer. Todavia, só quando do repouso se vai para o prazer é que se tem a verdadeira experiência, mesmo sendo outra “subida”.

            Desta maneira,  a ignorância e a insensatez também são uma forma de ausência, que precisa de conhecimento para se alimentar como na fome. Sendo a comida para a parte mortal de nós e o conhecimento para a parte imortal. Esta última parte, Sócrates diz, se refere à alma, que é mais consistente e verdadeira, assim sente mais prazer que o corpo. Então, o filósofo conclui belamente e, como Glauco diz, como um oráculo no que é o momento mais importante para o autor desta resenha:

Portanto, os que não dispõem da experiência da inteligência e da virtude, se mantendo ocupados com banquetes e similares, são movidos para baixo e em seguida erguidos até o estado intermediário, pelo que parece, e vagam dessa forma ao longo de suas vidas, jamais ultrapassando esse estado para o que é verdadeiramente superior, jamais o contemplando ou sendo movidos até ele, de sorte que não são preenchidos com aquilo que realmente é e nunca provam qualquer prazer estável e puro. Ao contrário, mantêm-se com o olhar voltado para baixo, para o solo, como o gado, e com suas cabeças inclinadas para suas mesas, comem, engordam e copulam. Numa mútua emulação, para se sobrepujarem reciprocamente nessas coisas, eles se escoiceiam e dão marradas entre si com cornos e ferraduras, matando-se uns aos outros, posto que seus desejos são insaciáveis e o vazio que tentam preencher é como um vaso repleto de furos, e nem ele, nem as coisas com as quais tentam preenche-lo estão entre as coisas que são e que são reais.[1]

            Assim, esses indivíduos vivem em meio a prazeres mesclados com dores, a meras imagens do verdadeiro prazer, dando origem a loucas paixões e desejos eróticos e tirânicos.

115


[1] PLATÃO, A República (Da Justiça). Edipro. São Paulo. 2006. p. 409

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s