Resumo – “República” de Platão – Livro V

         Aristotle

            O livro V começa com Sócrates reconhecendo a questão do fim do livro IV como supérflua, isto é, que não vale a pena viver quando se tem corrompida a parte da alma que busca a justiça e a virtude. Assim, a discussão se foca sobre as diferentes cinco formas de governo, que correspondem a cinco tipos da alma humana também.

         No entanto, Polemarco cochicha para Adimanto se iriam deixar Sócrates desviar-se do assunto sobre a comunhão das mulheres, ao casamento e à procriação, que, o que é muito importante, Sócrates julga de menor importância, mas não seus interlocutores. Isto, pois o filósofo julgava se tratar de assuntos muito polêmicos, mas depois de muita insistência, cedeu com cautela para não se expor ao ridículo.

            Ao discorrer sobre as mulheres, Sócrates as compara a cães de guarda, pois elas também deveriam ser vigilantes, mesmo sendo mais fracas que os homens. Ora, aqui é a primeira fonte de embaraço, pois se a mulher deve proteger como o guardião, esta deve ter a mesma educação que ele. Ou seja, ela será educada tanto na música, ginástica quanto na arte da guerra. E treinará a ginástica nua assim como os homens, o que causa uma comoção entre os interlocutores.

            A questão retorna à justiça dada no livro anterior no ponto em que todos devem se limitar aonde lhes competem as coisas, assim como no exemplo dos metais e no exemplo deste livro de à mulher compete dar à a luz e ao homem, procriar, isto é, no exercício de profissões, deve-se levar em conta os dotes naturais, no caso de tecelagem e culinária para as mulheres.

           [Entretanto] não há um modo de vida ou atividade dos administradores de um Estado que diga respeito a uma mulher porque ela é uma mulher ou a um homem porque ele é um homem,  mas sim as várias capacidades naturais estão distribuídas da mesma forma entre esses dois seres vivos. As mulheres partilham, por natureza, de todos os modos de vida tal como os homens, porém, em todos, as mulheres são mais fracas do que os homens[1].

 

            Ou seja, apesar de existir mulheres de bronze, de prata e de ouro, ela não poderia governar por ser mais fraca que o homem. E esta é a parte mais importante para o autor da resenha, pois aqui Trasímaco ficaria feliz de não ter ido embora da discussão, pois a justiça do mais forte é consolidada no gênero masculino da humanidade.

            Logo, discorrendo sobre se todas as mulheres e os filhos deveriam ser comuns[2] a todos os homens, Glauco assume o papel de Trasímaco e pergunta a utilidade e, ainda, a possibilidade deste distanciamento da realidade para o ideal visado até aqui. Mas Sócrates logo rebate que para obter grandes feitos é preciso antes imaginar tudo como já as tivesse e depois ver se se alcançará ou não.

            Sobre o casamento, como no caso dos animais, se deveria empregar o cruzamento dos melhores homens com as melhores mulheres o maior número de vezes, enquanto que com os piores, o menor. Além de homens e mulheres só poderem procriar em certa idade da vida em que estão no seu melhor. Porém, tudo deveria ser zelado de perto pelos governantes para que a cidade não ficasse nem muito populosa, nem pouco, contando com guerras e pestes.[3]

            Posteriormente, consideram qual seria o maior  mal e o maior bem para a cidade. Logo chegam à união, como maior bem e à desunião como mal, indo de acordo com a moderação e a harmonia, que fazem a cidade ser boa. Desta maneira, para a cidade ser  mais unida é preciso que ela esteja de acordo no sentido das expressões “meu” e “não é meu”. A cidade deve ser feliz em conjunto e sofrer em conjunto, pois não se deve numa cidade justa se compartilhar apenas os bens, mas os sentimentos. E à alma justa apenas o corpo individual lhe pertenceria, levando assim todos à perfeita paz e à felicidade.

            Sobre os guardiões, as crianças deveriam ser levadas ao campo de batalha para aprender e observar desde cedo. E um código de honra deveria ser posto em uso para não escravizar um outro grego de outra cidade, nem tomar suas armas e suas casas. Porém, “tudo isso seria realizável?”, se perguntam os interlocutores de Sócrates.

            E Sócrates diz que não é esta a questão, mas sim que ao construírem uma cidade perfeita, ainda que não fosse realizável, se poderia observar os defeitos das já existentes e tomar as devidas precauções e modificações. Todavia, para o filósofo, bastaria apenas uma mudança para que tudo se realizasse, que é a grande perspicácia de Platão.

            Os filósofos devem ter o poder nas cidades. Na impossibilidade de tornar os governantes filósofos, o caminho alternativo é tornar os amigos do saber em governantes, caso contrário, a cidade justa que tanto se discutiu sobre nunca existirá. Para efeito de esclarecimento sobre a visão que a maioria tem sobre esses buscadores da verdade[4], Sócrates define o filósofo como aquele que capta a essência do conhecimento das coisas, enquanto há outros que apenas aparentam ser filósofos, mas tem uma mera opinião das coisas (como os sofistas) e há outros que nada sabem, que conhecem apenas a ignorância.

            A ciência fala sobre as coisas que são, enquanto que o objeto da opinião é o que parece ser, mas também não é o nada da ignorância, isto é, o não-ser. Então o que é a opinião, este meio termo entre o ser e o não-ser? A opinião é aquela que vê as coisas belas, as coisas justas e boas, mas é incapaz de ver sua essência. Assim, não é o verdadeiro conhecimento da realidade, mas uma opinião ou impressão sobre ela. Um philodóxos não é um philósophosque conhece a essência das coisas e pode administrar melhor a cidade como ninguém.


[1] PLATÃO, A República (Da Justiça). Edipro. São Paulo. 2006. p. 228

[2] Para tirar a chance de incesto, as crianças que nascessem depois décimo e no sétimo mês depois do casamento seriam chamadas de filhos daquele casal.

[3] Interessante aqui o fato dos melhores darem filhos aos melhores, mas ignorar o fato de que um homem ouro não ter sempre um filho ouro, mas prata e bronze também. Então, ou este “melhor” diz respeito à outra coisa que à filosofia ou há uma contradição.

[4] Pois, a maioria tem a opinião que filósofo não seja tudo o que diga e que corrompa os outros para falar no mínimo. Isto claro foi o que aconteceu com Sócrates ao ser acusado na apologia, onde foi totalmente mal entendido. No entanto, pelo bem da cidade, aceitou sua decisão, o que não aconteceria se filósofos governassem Atenas. Mas isso será melhor visto no livro VI.

7 comentários em “Resumo – “República” de Platão – Livro V

  1. Gustavo disse:

    Muito boa a resenha!
    Estava com dificuldades nesta parte do livro, agora estou lendo o livro e acompanhando a resenha. Tudo ficou mais claro! Muito obrigado!

  2. Fábio Costa disse:

    também estou lendo o Livro acompanhado da resenha, e agora tudo ficou mais fácil de ser entendido.
    Muito obrigado, ajudou-me bastante.

  3. Francisca Macedo disse:

    ótima resenha!

  4. massiwa joao baptista disse:

    ajudou me muito o resumo

  5. Silvestre Rocha disse:

    A qualidade do resumo é segura

  6. […] 1. Platão: http://projetophronesis.com/2012/12/02/resumo-republica-de-platao-livro-v/ […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s