Ciência – As principais teses do Indutivismo ingênuo.

“De acordo com o indutivismo ingênuo, a ciência começa com a observação. O observador científico deve ter órgãos sensitivos normais e inalterados e deve registrar fielmente o que puder ver, ouvir etc.  Em relação ao que está observando, e deve fazê-lo sem preconceitos.”[1] Desta maneira, se pode se justificar como verdadeira  as afirmações a respeito do estado do mundo ou parte dele. Essas afirmações formam a base para as leis e teorias que devem derivar e constituir o conhecimento.

Ou seja, se trata aqui de, iniciando com a experiência singular, fazer afirmações singulares sobre a observação. Assim, satisfazendo as condições para generalizações, deste modo,

  1. o número de proposições de observação que forma a base de uma generalização deve ser grande;
  2. As observações devem ser repetidas sob uma ampla variedade de condições;
  3. Nenhuma proposição de observação deve conflitar com a lei universal derivada.

Se pode fazer uma afirmação ou lei universal.

“Desde que certas condições sejam satisfeitas, é legítimo generalizar a partir de uma lista finita de proposições de observação singulares para uma lei universal.”[2]


[1] CHALMERS, A. F. O que é a ciência afinal? 2009. Editora Brasiliense. P. 23

[2] CHALMERS, A. F. O que é a ciência afinal? 2009. Editora Brasiliense. P. 25

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s