Kierkegaard e a fonte do desespero.

A fonte do desespero.

O desespero é uma discordância da síntese das relações da existência, como foi visto anteriormente, mas não é a síntese a própria discordância. A discordância é, pois, a possibilidade da síntese. Do contrário, o desesperar seria apenas uma característica humana, ou seja, o desespero não existiria “sendo apenas um acidente para o homem[1]. Portanto, o desespero está em nós e, se não fôssemos uma síntese com relação com Deus para dar sua firmeza, não existiria. Graças a Deus e a nós nos desesperamos.

Mas Ele ainda é apenas o fator da síntese. O livre-arbítrio, a responsabilidade de si é da relação que a síntese estabelece consigo própria. Deste modo, a relação depende de si própria para haver discordância; depende de si própria para estar doente ou curado.


[1] KIERKEGAARD, Soren. O desespero humano. 1973. Editora Abril. P. 339

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s